Autorretrato

UEHhueuh
O texto abaixo faz parte do projeto PH Poem A Day, do blog Central da Leitura.
Clique em “mais informações” para poder ler.


Acordei, solitária e distinta, com cacos do espelho que já não está preso à minha parede aos meus pés. Minhas mãos sangravam e meus cabelos estavam jogados para todos os lados. Nada mais importava. Nada jamais importou.
Logo a minha frente, uma tela em branco. Seria branca para sempre.
Meus olhos ardiam, e ainda ardem. Não haviam sons a que me prender. Já não é possível sentir.
Quando me disseram para fazer um autorretrato, não achei que saberia reconhecer o medo em meus próprios olhos. Não achei que era possível sentir medo do medo que sentia. Mas meus olhos brilharam, ardentes, em frente ao espelho na noite anterior.
Olhos meus,
Hoje, se fosse fazer um autorretrato, pintaria meus olhos com temor. Negros. Meu temor.
Quando me disseram para fazer um autorretrato, não achei que conseguiria ver todo o mundo dentro de mim. Todo o mundo dentro dos meus olhos. Todo o meu mundo. Mas meus olhos me mostraram meu mundo, e acentuou suas imperfeições.
Olhos meus,
Hoje, se fosse fazer um autorretrato, pintaria meus olhos com paixão. Azuis. Minha paixão.
Quando me disseram para fazer um autorretrato, não achei que encontraria respostas dentro de meu ser. Todas as respostas das perguntas que jamais tive coragem de fazer. Mas meus olhos faiscaram, e eu me transformei.
Olhos meus,
Hoje, se fosse fazer um autorretrato, pintaria meus olhos com coragem. Verdes. Minha coragem.
Entretanto, quando me disseram para fazer um autorretrato, não achei que acabaria vendo todo o mal do mundo dentro de mim. Todo o mal que eu ainda não fiz, mas que sou capaz de fazer. Mas meus olhos se fecharam, quebrei o espelho e mais nada vi.
Olhos meus,
Hoje, se fosse fazer um autorretrato, pintaria meus olhos com sangue. Rubros. Meu sangue.
Mas nenhum autorretrato será pintado. A tela permanecerá em branco. Meu sangue continuará sujando minhas mãos e os cacos continuarão jogados no chão.
Talvez nenhum de nós exista. Talvez seja impossível saber quem você realmente é.


8 comentários:

  1. Você sabe minha opinião, SOCORRO uaheuaheaheuhaeua

    Bjs,
    Livroterapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. UHEHUeu. Bem sei. Muito obrigada. :D
      Ainda não sei como reagir ao que você disse.

      Excluir
  2. "Talvez nenhum de nós exista. Talvez seja impossível saber quem você realmente é." AMEI FORTENEY!

    ResponderExcluir
  3. ADOREI. E q finalização: "Talvez nenhum de nós exista. Talvez seja impossível saber quem você realmente é."

    Att,
    Fer // Fashion F

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha. Muito obrigada. Fico feliz que tenha gostado. :D

      Excluir

Deixe a sua opinião! Ela é muito importante para mim.

© Giulia F Ferreira - 2016. Todos os direitos reservados. Criado por: Giulia F Ferreira. Tecnologia do Blogger.