Vento, ventou.

Vento que venta.
Terras e mares, esfria e esquenta.
Fez de doce e salgado
brilhante colar estilhaçado.

Vento que ventou,
e o adormecido acordou
mesmo após o sono sem fim
que, de tudo, procurava diferentes perfumes;
e jasmim.

Vento que é vento
existe além do pensamento
mesmo que não se possa ver, existe.
Parado ou em movimento;
para sempre, em nem todo momento,
no fechado e ao relento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe a sua opinião! Ela é muito importante para mim.

© Giulia F Ferreira - 2016. Todos os direitos reservados. Criado por: Giulia F Ferreira. Tecnologia do Blogger.