Descendo escadas

Olá, seres humanos e não-humanos! Bem vindos a mais uma aventura de segunda-feira!

Na minha casa tinha uma escada de madeira e pedra descendo em uma profusa confusão de ordem. Na maioria das vezes, não era mais do que um obstáculo inútil e preguiçoso que eu precisava vencer para achar meus fones de ouvido ou ir ao banheiro.
Um atraso de vida bem significativo e irritante, eu diria.
Escadas eu descia, todos os dias, ela tentando me sabotar enquanto eu tentava sabotá-la.
Qualquer tentativa minha era falha como uma caneta usada, mas ela sempre conseguia me fazer tropeçar.
Escada, cara escada. O que eu fiz para você me odiar?
Contudo, apesar da ininterrúpta tentativa de me matar, eu sempre subia e descia. Descia e subia.
Fazer o quê? Não era bem escolha minha.

Escada, cara escada.
Escada, minha querida.
Sei que me odeias
e que eu também não gosto de ti,
mas hoje,
gostaria de agradecer-te,
por ser tão chata e irritante.
Se não fosse, outro alguém gostaria de ti
e não apenas eu.

Não tente esconder.
Sei que nosso ódio é amor.

A todos que estão se perguntando o que raios isso significa, só tenho um recado: interprete da maneira que preferir.

Então, me respondam uma coisa: tem alguma escada onde você mora?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe a sua opinião! Ela é muito importante para mim.

© Giulia F Ferreira - 2016. Todos os direitos reservados. Criado por: Giulia F Ferreira. Tecnologia do Blogger.