#9 No fim do túnel


A luz do sol me cegava, minha cabeça doía, mas infelizmente eu não conseguia fechar os olhos e dormir mais uma vez. Não enquanto não estivesse sozinho. E provavelmente não estaria em um bom tempo.
Um barulho a porta, alguém, me chamava. Mas simplesmente não tinha forças para atender.
— Não vai responder a porta? — perguntou.
Mas fiquei em silêncio.
— Acho que é o porteiro pra ver se tem algo para o sucateiro que sempre passa aos sábados carregar.
Não disse nada.
Não entendia como podia mudar não rapidamente o assunto.
Me irritava.
Me emputecia.
Queria mata-lo. Mas ele não morria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe a sua opinião! Ela é muito importante para mim.

© Giulia F Ferreira - 2016. Todos os direitos reservados. Criado por: Giulia F Ferreira. Tecnologia do Blogger.