#26 No fim do túnel

Você diz que não me odeia mas não consigo entender como não odeia. ─ falei, quando finalmente encontrei minha voz.
Achava que não conseguiria me mover se tentasse. Todo o meu corpo pesava, dolorido. Minha cabeça é a que mais me matava. Zunia. Doía como nunca antes senti, como se estivesse sofrendo trepanação.
─ Você não entende nada. ─ respondeu-me.
─ Você não explica.
─ Mas explicar não é meu trabalho. Gosto de estar aqui tanto quando você gosta da minha presença, mas você não me manda embora. Fica cozinhando a minha presença. Parece até que gosta.
─ Eu não gosto.
Riu, ruidosamente.
─ Eu sei que não, não precisa reafirmar.
Não disse nada.
Eu não conseguia entender. Parte de mim até mesmo tinha dúvidas de que eu tinha coragem para tal.
Nada daquilo tinha porquê, não faria eu perdoar a mãe, não faria eu largar meus vícios. Só me trazia mais dor e sofrimento. Dor.
De repente era praquilo que ele estava lá, De repente era por isso que tanto me importunava.
Meu corpo não se movia.
Olhei pra cima, diretamente pro dono da voz.
─ O que é você?
Daquela vez, achava ter feito a pergunta certa.
ANTERIOR | PRÓXIMO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe a sua opinião! Ela é muito importante para mim.

© Giulia F Ferreira - 2016. Todos os direitos reservados. Criado por: Giulia F Ferreira. Tecnologia do Blogger.